Género de mamíferos carnívoros, da família dos felídeos.

22
Jan 09

Hoje vou escrever sobre a Berta...a minha gatinha que morreu em Dezembro.

 

Foram 16 anos de amizade e cumplicidade, é difícil explicar a quem não animais, que a morte de um gato (ou de um cão...) é um forte abalo. Mesmo quando nos preparamos para o inevitável, porque o tempo vai passando e a vida deles é mais curta, nunca nos vemos com a perda consumada...

 

Pois, eu estou assim. Não vou estar mais com a Berta, nem vou ter me preocupar mais em sair de casa e esperar para ela não sair a correr para se afiar no tapete da vizinha... as rotinas mudam, tudo se adapta. Os tempos de perda são de reflexão e orientação das nossas vidas...afinal de contas era apenas um gato...

 

Mas esta não foi apenas uma gata, cresceu comigo. Sonhou ao meu lado, lambeu as minhas lágrimas, afagou o meu cabelo, estudou e brincou comigo...esteve presente em todos os momentos importantes da minha vida, nos últimos 16 anos. Curioso, que me apercebi que vivi mais tempo com a minha gata que com o meu avô...e ainda assim sinto enormes saudades de ambos...o tempo não é de todo proporcional ao carinho que podemos sentir por aqueles que nos fazem bem.

 

Foi uma boa vida, a da Berta...espero. Era um membro da família, sempre presente. Foi uma companheira dedicada e uma personalidade de gato muito própria. Uma coisa é certa, Berta só haverá ela...

 

Cada gato conta uma história, e o nome a par da personalidade felina é o seu maior património, será sempre  Berta, primeira e última.

 

A saudade é a memória do coração...

 

As saudades são inevitáveis e permanentes...

 

publicado por SCortez às 00:11
sinto-me:
tags: ,

Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
21
23
24

25
27
29
30
31


arquivos
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO